JAMA publica estudo de Covid-19 que avalia impacto de medicament em pacientes mais velhos

JAMA publica estudo de Covid-19 que avalia impacto de medicamente em pacientes mais velhos
18.03.2022, Medicamento Covid-19
JAMA publica estudo de Covid-19 que avalia impacto de medicamente em pacientes mais velhos

Estudo sobre o medicamento Sotrovimabe, da Vir Biotechnology/GSK, para tratamento da Covid-19, teve participação de cientistas brasileiros e foi testado em dois Centros de Pesquisa da Science Valley

Pacientes mais velhos ou com comorbidades, infectados pelo SARS-CoV-2, podem ter maior risco de hospitalização e morte, segundo estudo publicado essa semana pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA), um dos mais importantes veículos científicos globais. O artigo, que teve a participação de alguns cientistas brasileiros, fala sobre o sotrovimab, um anticorpo neutralizante para o tratamento de pacientes de alto risco para prevenir a progressão da Covid-19.

A Science Valley Research Institute (www.svriglobal.com), empresa brasileira de pesquisa clínica e serviços de P&D, junto ao Centro de Estudos do Grupo Leforte, conduziu no Brasil parte dessa pesquisa clínica global patrocinada pela Vir Biotechnology e em colaboração com a GSK para o VIR-7831 (sotrovimabe), um anticorpo monoclonal que apresentou resultados animadores no tratamento na fase inicial dos sintomas de pacientes adultos com Covid-19. Entre os colaboradores do estudo está o sócio-fundador e presidente do board científico da Science Valley, Dr. Eduardo Ramacciotti.

“Todos reconhecemos a importância de se ampliar a vacinação contra a Covid-19 e, mais que isso, a chegada de novas soluções terapêuticas que reduzam complicações em pacientes infectados. A publicação do estudo na JAMA, alguns meses depois da Anvisa autorizar o uso do medicamento no Brasil, é muito comemorada por nós, pesquisadores e time de coordenadores de pesquisa da Science Valley, porque o uso de mais um tratamento com anticorpo monoclonal nos traz mais opções para lutar contra as variantes do novo coronavírus que circulam no Brasil”, explica Ramacciotti.

O Sotrovimabe, da GlaxoSmithKline (GSK), foi o quinto medicamento autorizado no Brasil para tratamento em pacientes com Covid-19. Em agosto, a agência já havia registrado o Regdanvimabe, da Celltrion Healthcare. Em março foi autorizado o Rendesivir, fabricado pela empresa Gilead Sciences. Em abril, foi liberado o uso de uma associação de outros anticorpos monoclonais, o casirivimabe e imdevimabe, produzida pelas farmacêuticas Regeneron e Roche. Em maio, foi autorizado o uso de uma associação dos anticorpos banlanivimabe e etesevimabe, produzida pela Eli Lilly. Em agosto, foi a vez do baricitinise, também da Eli Lilly. E o mais recente, em fevereiro de 2022, foi o Evusheld, da AstraZeneca.

O Sotrovimabe é um anticorpo monoclonal feito em laboratório que imita a capacidade do sistema imunológico de combater o vírus. Ele atua contra a proteína spike do Sars-CoV-2 e é projetado para bloquear a ligação do vírus e a sua entrada nas células humanas. A biotecnologia farmacêutica cria ainda uma barreira para a seleção de variantes resistentes e permite que o medicamento mantenha a atividade in vitro contra cepas mutantes do vírus.

O Sotrovimabe é indicado para o tratamento de Covid-19 leve a moderada em pacientes adultos e adolescentes com 12 anos ou mais (e que pesem pelo menos 40 kg) e que estão em risco de progressão para o estágio grave da doença. O medicamento é de uso restrito a hospitais e não pode ser vendido em farmácias e drogarias. A dose recomendada é uma dose única de 500 mg, administrada por infusão intravenosa. O Sotrovimabe não está indicado para uso em pacientes hospitalizados, que necessitem de oxigenoterapia ou que precisem de aumento na taxa de fluxo de oxigênio basal.

Mesmo durante a fase 2 da pesquisa, de acordo com o estudo feito com 583 indivíduos ao redor do mundo, a nova substância foi capaz de reduzir em 85% os casos de hospitalização ou o risco de morte, quando utilizado como monoterapia contra a doença, incluindo as variantes inglesa, brasileira e sul-africana do vírus. Diante das provas de eficácia, os resultados preliminares levantados da análise interina dos ensaios de fases 1, 2 e 3 (programa COMET-ICE), a agência reguladora decidiu aprovar a medicação para a indicação no tratamento de pacientes com Covid-19 não hospitalizados, com sintomas leves a moderados, para o uso do sotrovimab 500 mg IV em adultos e crianças (acima de 12 anos e com pelo menos 40kg).

“Embora exista uma corrida para a busca de mais vacinas, é necessário lembrar que os pacientes de Covid-19 continuarão sendo tratados com medicamentos, por conta de seus sintomas e até pelo risco de sequelas após a alta hospitalar. Daí a importância de continuarmos aperfeiçoando as abordagens terapêuticas, com o objetivo de reduzir ao máximo a mortalidade e riscos provocados pela doença”, explica Leandro Agati, sócio-fundador e CEO da Science Valley. “O VIR-7831 tem o potencial de colaborar para evitar um colapso na saúde pública e privada no Brasil, diante da nova onda da doença, salvando muitas vidas e melhorando a recuperação desses pacientes logo no início dos seus sintomas.”

Mais sobre o Dr. Eduardo Ramacciotti

EDUARDO RAMACCIOTTI Co-fundador e CBO (Chief of Board) da Science Valley. MD, PhD, Cirurgia Vascular e Endovascular

Eduardo Ramacciotti é pesquisador de doenças cardiovasculares e ensaios clínicos globais. É co-fundador e presidente do Conselho Científico da Science Valley Research Institute (SVRI). É professor-orientador do programa de pós-graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, disciplina de Ciências da Saúde, com alunos de mestrado, doutorado e pós-doutorado. É professor visitante do Loyola University Medical Center (Chicago, EUA), afiliado aos Departamentos de Patologia e Farmacologia. Tem amplo conhecimento na área cardiovascular, com foco em trombose, hemostasia, doenças das artérias periféricas e desenvolvimento de medicamentos. Ramacciotti é pesquisador clínico e mentor de alunos de pós-graduação e programas de PhD. Sua formação inclui os títulos de MD, MPH e PhD (em trombose), com dois programas de bolsa (pós-doutorado), incluindo pesquisa básica e clínica na Universidade de Michigan e no Centro Médico da Universidade de Loyola (Chicago, EUA). A sólida experiência inclui 95 artigos publicados, quatro livros (sumários executivos), além de ser convidado recorrente para palestras em reuniões médicas internacionais. Em 2017, o Dr. Ramacciotti recebeu o prêmio Outstanding Achievement Award do Global Trombosis Forum (GTF) ligado ao North American Thrombosis Forum (NATF) por suas contribuições em educação e pesquisa em embolia pulmonar e doença arterial periférica. Sua carreira foi marcada pelo cargo de diretor médico global da Bristol Myers Co R&D, em Nova York, de 2010 a 2014, onde assumiu a direção da pesquisa clínica da fase básica à fase tardia (da “bancada à cabeceira”) nas áreas cardiovasculares, incluindo o anticoagulante oral apixaban. Em agosto de 2021, apresentou no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC, do inglês European Society Cardiology) os resultados do The Michelle Trial, pesquisa clínica liderada por ele, patrocinada pela Science Valley (com colaboração da Bayer), realizada de forma inédita em vários centros do Brasil, contemplando a segurança e a eficácia do medicamento Xarelto®️ (rivaroxabana) de 10 mg, uma vez ao dia, no período pós internação em pacientes que foram hospitalizados por Covid-19 e com risco alto de tromboembolismo na alta médica. Esse foi um dos estudos globais mais esperados do ano na área de cardiologia.

Mais sobre a Science Valley

Fundada em 2018, na cidade de Santo André, e com escritórios em São Paulo (Brasil) e Miami (Estados Unidos), a Science Valley Research Institute (SVRI) – www.svriglobal.com – se torna o primeiro Instituto de Pesquisa Internacional Multicêntrico do mundo, com uma gestão integrada de todas as pontas da pesquisa clínica. Atualmente, a empresa opera 17 Centros de Pesquisa qualificados, em cinco estados brasileiros (São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso e Ceará), sendo responsável por gerenciar todas as cinco fases dos processos de desenvolvimento, contando principalmente com ensaios clínicos (estudos pré-clínicos e clínicos de fases 1 a 4) e apoiar toda a indústria de saúde no desenvolvimento de insumos farmacêuticos, matérias primas, medicamentos, vacinas, tratamentos, procedimentos cirúrgicos, estudos de custo afetividade e dispositivos / equipamentos para a saúde humana.

INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA:

Science Valley Research Institute
Josafá Vilarouca
(11) 99601-2512
josafa.vilarouca@svriglobal.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quatro × cinco =

Quer patrocinar um novo estudo clínico ou solicitar uma reunião com nossa equipe? Clique aqui e cadastre-se!!

X
×