ESTUDO

GLADE

O Estudo vai atender pacientes com Endometriose. Mas afinal, o que é Endometriose?


A Endometriose é uma doença que ocorre devido ao crescimento do tecido do endométrio (revestimento interno do útero) em partes externas ao útero ocasionando inflamação do local o que leva ao aparecimento de vários sintomas que impactam negativamente a qualidade de vida da mulher. É considerada uma doença benigna.

 

Quem pode participar?


Voluntárias com:

  • Idade entre 18 e 50 anos com peso entre 50 e 90 kg;
  • Endometriose diagnosticada;
  • Cirurgia de Endometriose realizada há mais de 3 meses e que ainda tenham queixas de dor pélvica;
  • Não ter planejamento para engravidar no próximo ano.


Objetivo do Estudo


O principal objetivo deste Estudo Clínico é avaliar a segurança e a tolerabilidade do uso de implante hormonal de gestrinona durante 6 meses em mulheres com dor pélvica associada à Endometriose.
De forma exploratória, serão avaliados: satisfação da participante, mudança na intensidade da dor pélvica, uso de analgésicos e qualidade de vida.

 

Incidência


Acomete de 6% a 10% das mulheres que estão em idade reprodutiva, sendo que 50% a 60% das dores relatadas na região pélvica e 50% dos casos de infertilidade tem como justificativa a Endometriose. É considerada um problema de saúde pública devido ao seu impacto na saúde física e psicológica da mulher e também com importante impacto socioeconômico decorrente dos custos para o seu diagnóstico e tratamento.

 

Principais causas da Doença


A Endometriose pode causar dor pélvica crônica, dismenorreia (cólica menstrual), dispareunia (dor na relação sexual), disquesia (dor ao evacuar), disúria (dor ao urinar) e, frequentemente, infertilidade.

 

Como diagnosticar


A endometriose inicialmente é investigada com base na história clínica da paciente e no exame físico. Devido á sintomatologia variada, da semelhança dos sintomas entre várias doenças ginecológicas, o procedimento padrão-ouro para o diagnóstico definitivo é a videolaparoscopia e a análise anatomopatológica subsequente, o que envolve riscos inerentes ao procedimento cirúrgico e alto custo financeiro associado á paciente e ao sistema de saúde.